Das Matérias Que Compõem Minhas Brevidades

Que entendam por brevidades
minhas poesias, minhas canções, meus personagens,
inventos, adejos, celebrações e ausências.
 
É preciso pouco, visto que é breve.
 
…………………………………………………………………
 
PRIMEIRO recolha nódoas do tempo,
esse sumo adocicado que em tudo respinga
e que tudo transforma em tempo.
 
Observando que
um recipiente de matéria de não-tempo
é importantíssimo, para que dure o espaço da admiração.
 
É risco unicamente de quem colhe
já que assepsias são impossíveis.
Aquilo que se desatento o tempo toca
vira vento, mas,
quanto se apascenta  em banho de febre de vontade e gozo
vira pensamento.
 
Nem bom nem mal, vento ou pensamento.
Ambos cabem no espaço da admiração.
 
 …………………………………………………………………………………
 
SEGUNDO quando o silêncio aparecer, permita.
Tem dias que o silêncio quer cantar
e tocar suas cordas.
 
Há madrigais belíssimos guardado na luz,
encha umas moringas e deixe dormir uns anos,
acorde as notas quando for dia se pondo.
 
O silêncio canta com voz de grilos mas também de meninos.
 
Uma nota posterior importante,
rádios velhos e o término das chuvas
guardam silêncios enormes.
 
 
 
Anúncios
Categorias: Uncategorized | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: